terça-feira, 9 de julho de 2013

A luta foi o camarão



      Quando o prato chegou esfumaçando os pensamentos incompreendidos pelo copo cheio vazio de cerveja, pensei nos camarões enormes ali na minha frente. Mandy com sua eloquência explicou enquanto destroçava alguns amiguinhos que eles são chamados de limpadores do oceano.

Tipo gari?
Empanados
Tipo lixeiros?
Ao alho e óleo
Limpar o inferno?
Ao molho tártaro.

Desfrutamos dos frutos do mar socializados e escancarados com suas peles que dão trabalho pra cacete de tirar e meu prato se enche de pelinhas e resolvo engolir alguns pra diminuir o trabalho e liberar o copo vazio cheio vazio de cerveja.

Chego à casa, animado pronto para a festa niver luta do spider ridículo como ele desviou e eis que meu beiço começa a inchar e fico a cara de algum astro de Hollywood ou quero sentir inveja da Jolie mas não posso mais por que ele é capaz de estourar e Hero aparece e salva-nos voando pela pista rumo ao socorro cheio de policias com cara de mau armados ate dos dentes e mal sinto os meus rente ao espelho da recepção. Mandy recita meus documentos enquanto entro e quero sair entro no socorro e sou encarado por um senhor com cara de velho, mas com diploma de médico que pede calma e recita Fenargan enquanto um dos meus olhos vê ao longe um sujeito sujo sangue desmaiado e fito à agulha e a enfermeira consegue ver através do meu espírito e pensa que não estou sozinho Estou transtornado chapado cervejeiro cigarro e ainda quero ver a porra da luta apenas pra saber que o aranha vai cair da teia feito mosquito queixo de vidro minha bunda não tem vergonha a enfermeira não gosta coloca a mão diz que Jesus me ama e ali com a bunda aparecendo não sinto nada pois acabou tudo levanta essa porra e saí surpreso com a mão de anjo da senhora.

Demora algumas horas e posso ir ao niver e posso ver o campeão perdendo seu cinturão feito palhaço e destaco aqui que a noite foi divertida, contudo o camarão não e o fenergan não serve pra operar máquinas e beber também não porem o Mau Mau foi tranqüilo e vivo pensando que a tal aranha entrou fenargado no ringue e perdeu para o mosquito. Lembrei que ao olhar para meu prato pensei com os diabos comemos insetos do mar. Mandy repete inseto não limpador dos oceanos. Nem todo fruto é doce.

Plaz Mendes