terça-feira, 8 de abril de 2014

As coisas não mudam?



http://www.failinbox.net/2013/06/fila-do-supermercado-quando-e-pra-ser.html


As coisas nunca mudam.
Eu continuo indo ao supermercado
Toda hora do dia
Como se um cisto me abdicasse do sonho de ser saudável
Irrita
Mas eu vou.
As coisas nunca mudam
As pessoas continuam reclamando nesse local
Os maridos das esposas
As mulheres das crianças
Os pequenos das verduras
Como se todo movimento fosse uma vertigem
Uma subida a montanha
Do produto barato
Da comida rápida.
As coisas não mudam
As filas ordenam infinitos
Muitas mãos roubando coisas
Muitos cartões pagando coisas
Muitas coisas
Gente reclamando do tempo
Gente exigindo um bom preço
Gente
Injetando coca morro acima
Ejetendo mercadorias erradas.
As coisas não mudam
Os pássaros ainda voam
A bebida ainda impera
Os bichos ainda morrem
A bebida ainda impera
As promoções ainda imperam
As coisas não mudam
As frutas maduras
A imagem se comunica:
Beba
Viva
No fone “The Shrine”
No radio Popozudas pensadoras.
Setores
Seleções
Escolho um vinho
Branco?

As coisas mudam.


Plaz Mendes