sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Hipopótamo #4





13:58
   

       Na Internet tudo pode ser mais agradável visto que as pessoas não precisam saber que tipo de roupa usa ou se acaso sua mãe lhe botou o nome Grenda, coisas deste gênero. Nela ninguém necessita conhecer nada. Criada para o bem estar do mundo ou apenas para salvar a vida sexual de um monte daqueles desajeitados.Nerds espinhas.Gordos porcos.Loucos.Espertos demais para ter algum tipo de relação doença/contato físico.O grande lance da minha geração é o facebook criado por um nerdFace mais livro, ou seja, sua cara, sacou?Um espaço para conhecer as pessoas, círculos sociais e etc...-Procure “Help” para mais informações-Sua foto fica exposta e é claro que não coloquei minha cara pálida na frente, por sinal horrível.Chamam de avatar.Como disse ninguém conhece você.E sendo assim quem precisa saber quantos quilos possui.Ou,Quantos dentes se perderam na ultima queda.Ou,O tamanho do seu aparelho respiratório.Napa.Elefante.Pinóquio.       Minha vizinha ao lado bate na porta pelo olho mágico. Mora sozinha numa cama de casal. Marido fugiu, morreu ou gay. Religiosa ao extremo, pelo menos aparenta ao usar um pesado vestido/luto pra onde quer que esteja.Estamos no verão. Terrivelmente gostosa.O terrível disso é ela não saber disso.Ou,Pelo menos não aparenta isso.Abro querendo abrir uma pequena fenda da sua roupa._ você tem um pouco de açúcar?-Tenho coisa mais doce honney-Tampa a brecha e bate a porta ao receber o veneno branco.Onde paramos?Nunca vou postar minhas péssimas 3x4 e me apego a questão da personalidade.Sou uma pessoa de traços típicos.Natural.Transborda pelos lados.Olho o canto direito.

Relógio.

14:03.

Hora marcada para entrar no bate papo.
Para conversar com Sexmachine.Conhecia-a numa dessas salas para pessoas carentes procurando amigos, namoro ou uma diversão sexual.Trocamos assuntos por duas vezes;E finalmente optamos pelo sexo mesmo.Tranco a porta.Aumento o som.Abro o zíper.Pais trabalhando e minha mão também.Cada coisa que ela fala capaz de enlouquecer qualquer sujeito capaz de juntar algumas letras.Analfabeto funcional.Funciona que é uma beleza.Dizem as pesquisas.Escreve que ta gozando e gritando como uma louca.Meu braço cansa.E minha mente raciocina; FASTfat : qro conhecê-la? SEXmachine : pra q? FASTfat : pra fzermos sexos ao vivo. SEXmachine : (OFFLINE) Como podem ver minha imaginação não foi requintada para o nick: Fastfat...Como podem ler, nunca consigo marcar algo com ela.Merda.Imagina bater punheta para um maluco de trinta anos com poucos fios capilares.Possuindo um nome americano tipo Brad.Mãe possessiva.Relacionamento conturbado.Pelo espelho ele crer ser Brenda.Assassino/pervertido.Droga.

 Tenho de saber como é esta personagem, descobrir como é aquela que mancha meu short azul. 

 
Uma breve historia do meu pai.
  

        Aqui despejo aquilo que descobri com suor, chantagens, bebedeiras, coisas largadas sem importância e suposições de uma mente louca demais. Seu Roberto tinha pouca idade quando conheceu minha mãe no colegial. Primeiro beijo, namorada, a primeira transa, faculdade igual, o único filho. A turma deles.Meu pai.Minha mãe.O pai de Alberto chamado Alex, faculdade de administração.Isabel vivia procurando a salvação e não perdia tempo com festas, cervas, bolos e sexo sem camisinha.Por isso sua cara carrancuda quando alguém insiste em lembrar o passado.Ela odeia nostalgia.E nunca viu com bons olhos uma universidade cheia de maconheiros.Roberto atraiu Roxana, a garota mais gostosa, com horas de biblioteca quando a mesma o convidou-o para ensinar cálculos. Roxy escrevia pequenos poemas de pouco valor. Ao que tudo indica gostava de Olavo Bilac.Roberto fã de ficção, fofocas, astronomia, e um pouco de mantra.Prova final, mamãe com temor de perder o período.Noite, quarto, os dois e bla, bla, bla, bla.Nasci.Todavia.A verdade é outra, ponderei um pouco se fazia diferença, contudo depois de um pouco de coca cheguei à conclusão que certas coisas devem ser bem claras.

      Meu pai na época do campus mantinha como amigos poucos que o chamavam de Rolinho. Com os moleques da rua nunca ia alem de umas porradas e desculpas por machucar o fracote que gostava de ter um diário.Sempre longe;Das mulheres.Revistas masculinas com peitos enormes pra fora.Buracos nos banheiros femininos.Vera Fischer. Uma passagem do seu livrinho secreto. “Uma mulher linda não pode ser uma boa atriz ela representa tão bem isso que o povo já a aceitou ninguém quer vê-la subir no palco para ganhar prêmio, mas todos querem vê-la nua.” Meu pai é um gay.Bicha.Viado.Homossexual.
Ele é meu pai?
Viajo numa ideia de que minha mãe ficou grávida de outro e para ajudar sua amiga cuja família exercia linha dura do exercito.
Casamento de fachada.
Pai de mentira.
Pseudo-homem.
Coitado hoje em dia parece arrependido com um rosto fatigado de tanto plantão no hospital. Um cara legal comigo, visitas, amigos, porem nunca se importou realmente com o que ocorria em casa, com sua mulher. Roxana deve sonhar todo dia com uma chuva de pintos.
Sua ausência na cama.
Na casa.
Na minha vida toda pode explicar o comportamento às vezes insano.
O sangramento no nariz.
O desejo de morte.
Vocês decidam.
Afinal filhinho de peixinho o tubarão come tudo.


Pra quem perdeu as outras partes segue o link:

Parte 1




Plaz Mendes